quinta-feira, 1 de outubro de 2009

O BOM SAMARITANO

Fui surpreendido por aqueles homens
Indo de Jerusalém para Jericó
Não só queriam meus pertences
Mas me maltrataram, sem dó.

Logo ouvi passos ao meu redor
Fiquei aliviado ao ver o sacerdote de Deus
Que certamente ao reconhecer-me
Trataria-me como um dos seus.

O meu corpo ensanguentado
Suplicava-lhe cuidado e atenção
Ao perceber o seu desprezo
Grande foi a minha decepção.

Novamente, ouvi outros passos
Que para mim representavam esperanças
Mas o levita também passou de largo
Afinal, para que serve as ordenanças?

Meu coração se encheu de tristeza
Ao perceber tão grande verdade
Somos todos filhos de Deus Pai
Mas quão escassa está a PIEDADE!

Espere! Alguém mais se aproxima
Mas este certamente não vai parar
Se os judeus não me socorreram
Porque um samaritano iria se importar?

Mas eu mal pude acreditar
Quando ao meu lado se ele ajoelhou
Com azeite atou-me as feridas
E em seus ombros me colocou.

Levou-me para um lugar seguro
E pagou para alguém cuidar de mim
Como eu poderia acreditar
Que um samaritano pudesse amar assim?

"Quem é o meu próximo", lembra-se?
Perguntou a Jesus, o doutor da Lei
Depois de ouvir a minha história
Ninguém terá dúvida, eu SEI!

Um comentário:

Anônimo disse...

professora, sua mae ta melhor? beijos.